1 de set de 2009

Digama

Conceber


Deus sabe o que faz, eu não. Crê em DEUS Pai.

Quantas vezes você achou que sabia exatamente onde estava, exatamente o que estava fazendo e o vento vem sem aviso e leva seu barquinho (muitas vezes furado) pra longe? Quantas vezes você se sentiu engolido por um peixe sem tamanho e quando você menos esperava esse peixe te vomita numa praia linda, santo recanto? Quantas foram as vezes em que você deixou de sonhar (não porque queria, mas porque o momento pedia) e o sonho nasce novamente, de fora pra dentro? Quantas vezes você achou que estava morto e percebeu que nem havia começado a viver? Quantas vezes se sentiu dona de si e vagava por onde queria, fazia o que bem (mal) entendia e foi entregue nas mãos de estranhos, que te levavam pra onde você não queria e faziam com você o que não entendiam? Quantas vezes você se enganou, deixou de acreditar, deixou de sonhar, deixou de amar e se permitiu estar sentado na platéia enquanto o "destino" tomava conta de todo o palco de sua vida? Acorda! Suba ao palco, você é diretora dos seus caminhos, do teatro "mais sincero" que é a "sua" vida. Deus te deu o livre direito de em tudo agradar ao seu coração e você tem deixado ele sofrer sem maneiras. Lembra de todas aquelas vezes em que seu coração acelerava sobremaneira, seu coração parecia querer saltar de sua garganta, gritava dentro de você: "Me escuta! Eu estou aqui! Eu nunca te deixei! Por sorte não me escuta? Por que se esqueces de mim! Quantos foram os anos em que eu trabalhei sem reclamar, sem pedir nada em troca? Será que você não entende que tudo que eu quero nessa vida é que você continue a me deixar pulsar?". Se lembra daquele seu primeiro amor, não aquele que te deixou triste, eu falo daquele que te fez feliz, sabe qual? O amor próprio!

E quando você achava que não havia mais jeito, DEUS me colocou na sua vida pra te lembrar de todas essas coisas que você teima em esquecer.

Você não se lembra de quando roubava as flores do vizinho pra presentar aquela pessoa tão amada? Das cartas que escrevia? De quantas canetas foram gastas nas folhas do caderno que te pediam que escrevesse a partir da capa e você teimava em utilizar MUITO MAIS as folhas do fim, aquelas que aos olhos do mundo sempre eram as quais você devia se livrar? Não se lembra daquelas aulas chatas que não te ensinavam nada mas que te fazia gastar folhas e folhas sonhando ao final daquele caderno repleto de folhas brancas? E eu falo isso como se te conhecesse a anos? Eu conheço, eu estou em você, eu sempre estive.

Você se lembra daquela vez que sofreu (talvez ainda sofra) por orgulho, enquanto eu te mostrava tudo o que você devia fazer e você me ignorava? Eu nunca me esqueci de você!

Eu já te disse uma vez que naquele trecho em que constam apenas um par de pegadas, foi nele que eu te carreguei! Não se lembras? Quantas foram as vezes em que eu deixei tudo o que estava fazendo pra me dedicar somente a ti? Não se lembra daquela vez em que você me pediu em oração pela tarde e eu te atendi pela manhã do mesmo dia? Das vezes em que te vi em pranto pela noite, clamando pelo meu amor na sua vida e pela manhã eu te acordava com um baile de cores no céu?

Eu te perdôo todos os dias, em nenhum deles eu tenho faltado com você, eu não estou te cobrando pelos dias em que se esqueceu de mim, eu nunca te esqueci.

Quando foi que você deixou de sonhar? Onde foi que eu errei? Tu que me chamavas de perfeito, onde foi que errei pra você abandonar o meu amor e o meu colo, criança?

Não te preparei eu teu lugar? Não te tirei eu do buraco e te coloquei no alto dos montes? Arrepende-te e ouve a voz do que clama no deserto! Eu te amo filha minha. Eu sempre amei.

Um comentário:

Leane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Não deixe de comentar.
Jesus nos guie.

Visitantes