5 de abr de 2010

Sociologia - Pobreza, minorias, violência humana, trabalho e renda.


Quantos dólares de combustível um presidente queima para discutir acerca de temas como esses? Pobreza, minorias, violência humana, trabalho e renda?

Lendo a Bíblia uma vez encontrei uma passagem na qual Jesus (que é considerado 'O Rei' e a "Salvação" para muitos), lava os pés de todos os seus discípulos.
O fato é que Jesus sendo O Rei lavou os pés dos seus servos.


Quantos discípulos Jesus tem para que eu venha afirmar seu título? Setenta e sete vezes mais do que qualquer outra carne que tenha vivido na terra que o sol queima. Ele é o nome sobre todo nome e na terra que o sol queima nínguem é mais seguido do que ele, nem em perfil de sites de relacionamentos, nem Céu dos Céus e nem terra. Não.
Comentários do autor.

Comparado com os dias atuais, se Jesus estivesse vivo, eu compararia o seu poder aquisitivo ao de um presidente, humilde, que dispensa qualquer tratamento diferenciado. Cá entre nós, nosso presidente queima mais dólares em suas viagens do que investe em projetos, enquanto tantos da “minoria” perdem condução pra chegar ao trabalho, enfrentam filas “estressantes”, sobrevivem ao preço de uma passagem de ônibus, num sufoco digno de um “rei”, o nosso representante popular queima uma quantidade de dólares, que, num ano essa mesma quantidade seria capaz de servir de brasa pra assarmos um típico “churrasco brasileiro” do tamanho de um avião e de picanha gaúcha. Não há unhas que agüentem. E se eu fosse citar o sistema de condução nacional que possuímos.?: “Lá estou eu.. num ponto de ônibus.. acabei de sair do meu trabalho.. estou com fome.. porque trabalho em média dez horas por dia e nesse tempo só faço uma refeição, tenho fome.. tenho em mente que preciso gastar dois reais com o ônibus pra chegar até minha casa, 'graças a DEUS eu dei sorte de pegar uma via única pra chegar até lá', ainda assim são quatro reais todos os dias, 'exceto aos finais de semana em que estou de folga e passo o dia em casa assistindo televisão e tomando água', são dezoito horas nesse momento, o horário é de pico e o ônibus deve estar lotado. Entro no ônibus, está chegando a minha “parada”, mas o ônibus está muito lotado, o motorista estressado não espera e segue em frente, desço duas paradas a frente da minha, tenho que caminhar dois quilômetros pra chegar em casa, no caminho fico com sede e lembro que ainda tenho “um e cinqüenta” no bolso, o motivo de andar com pouco dinheiro (quase sempre contado pra passagem do ônibus e umas moedinhas pra “emergência”), é por causa do medo de ser assaltado no ônibus. Quando vou procurar por minhas moedinhas descubro que levaram minha carteira... Com todos os documentos, nessa hora eu lembro da “burocracia” que é para tirarmos uma segunda via e de quantas passagens de ônibus eu poderia pagar com o dinheiro que terei que gastar...” Infelizmente é assim que têm sido a realidade de muitos que mesmo empregados “sobrevivem” a dificuldade de conseguir uma fonte de “renda” diariamente, eles fazem parte de uma “maioria” de cidadãos que cedem seus privilégios numa fé cega que têm em seus representantes. Essa maioria faz parte de uma “minoria” de privilegiados, mas que juntos cedem á República uma grande soma de impostos, que, se não fosse cedido já não seriam assim tão pobres. A pobreza é mãe de sete filhos, trabalha e ganha pra alimentar três e ainda tem que ceder a parte de dois de seus filhos a “um” representante social. Não seria isso tudo uma violência humana contra as minorias que vivem na pobreza? O sacrifício que é trabalhar, para que nossa renda seja em parte, doada para uma pessoa que contrata um 'dj' famoso pra festa do filho? Trabalhar dois períodos num dia pra se aposentar numa velhice problemática enquanto alguns políticos se aposentam com dois mandatos de quatro anos cada? Reunir conselhos pra discutir o aumento de salário dos partidários enquanto o salário minimo mal dá pra pagar as contas do 'super-mercado'? Muita coisa precisa ser repensada e uma é certa. Revoluções terríveis acontecerão devido a toda essa violência humana. Mais importante do que alcançar a meta de um 'trabalho' é conquistar a sustentabilidade de uma sociedade e o 'sistema' está longe disso, eu digo que isso não é preocupação do sistema. O sistema se preocupa com a verba gasta nas reformas que precisam ser feitas, e por isso muitos 'planos sociais' não saem nunca do papel. Se numa sociedade somos membros uns dos outros, então somos todos participantes da pobreza social, mesmo que não aparente, quando corrompemos alguém e somos corrompidos, na verdade estamos corrompendo a nós mesmos como o todo que somos. Os viventes e queimados do sol.

Diante dos fatos apresentados posso concluir que há uma grande desigualdade social no Brasil, provocada pelo amor que grande parte das pessoas têm pelo dinheiro. Em nosso mundo há políticos que deveriam nos defender mas pensam apenas em si mesmos, gerando revolta social e sentimento de incapacidade por aqueles que menos podem. Existem programas sociais disponíveis pra fazer a pobreza aparentar ser menos horrível do que realmente é, mas infelizmente não são utilizados de forma correta. Não adianta esconder favela com outdoor. O sistema capEtalista em que as pessoas se sentem na necessidade de adquirir o produto mais caro e mais novo no mercado e se não conseguem se sentem frustradas. O desenvolvimento sustentável de uma sociedade é dever social de cada cidadão, só cabe a nós mudarmos essa situação. Se Deus é por nós, quem vai ser contra?

Marlon Ribeiro Teixeira

Um comentário:

Alexandre Pitante disse...

Paz, Marlon.

Vim retribuir a visita feita ao meu blog. Deus lhe abençoe pelas palavras de incentivo e a profecia eu recebo em nome de Jesus, pois só Ele sabe minha situação. também agradeço por me seguir.

Estou te seguindo também e precisando de mim so entrar em contato.

www.alexandrepitante.blogspot.com

Um Abraço em Cristo. Alexandre Pitante.

Não deixe de comentar.
Jesus nos guie.

Visitantes