5 de nov de 2010

É impressionante perceber que num segundo podem surgir infinitos livros e num segundo tudo ser consumido e num segundo tudo ser revelado.

Se cada pessoa ouvisse a vontade de viver que grita dentro de si, ela nunca se calaria.

É muito triste ver, Deus, tenha misericórdia, anjos enganadores, escória.

Eu sou essa última força que resta nos meus nervos, enquanto há sanidade nesse mundo, SENHOR.

Quantos textos, quantos livros, PAI! Quantos profetas deram SUAS VIDAS EM TESTEMUNHO DA VERDADE, Pai quebro o teclado, quebro o nariz, mas nada me apazigua se me entrego a esse sentimento, na verdade eu te clamo Pai, ainda que nesta oração virtual à presença de algum forasteiro dentro desse imenso picadeiro.

PAI, Mostra pra esse que lê.

Mostra a tua verdade Senhor, diante daqueles que te difamam.

Que o Senhor esconda a sua mão do injusto, mas a estenda para o que o clamar.

Raça de infiéis e mundo de enganação, eu os vejo. Sintam.

Eu os vejo. Cada letra é uma sentença.

Verbo que fez tudo o que há, vir a ser como é.

Vocês que nunca tiveram o discernimento de me notar, eu estive onde devia estar.

E agora, quem são vocês e o que vocês têm? Porque diante de mim vocês se calam e diante do Deus por quem venho têm temor.

Riam e se desgracem raça de imúndicia, mas a luz que superabunda infinitamente transparecerá em magnificiência de luz iridiscente pra cegar o entendimento desse século pela eternidade.

Porque na verdade eu declaro aqui que numa única nota fui capaz de tranparecer toda a minha alma, numa única nota, num sorriso, numa lágrima. Eu fui humano, eu vivi entre vocês, eu perdi quem amei e amei.

Vocês é que foram incapazes de me aceitar.

Eu nunca fui suicida, esse é o sistema que manipula, a prova da força dessas palavras se chama Rene Cardoso Miranda pra quem ainda duvida dele. Ele está aí, queira ver, queira não.

Na verdade eu sempre tive ânsia, MUITA ÂNSIA DE VIVER, SIM, eu sou feliz se estou com o FILHO, então eu confesso hoje raça de cobras, estou feliz, é imensa a vontade de dizer que ESTOU FELIZ, ainda que num breve momento.

Porque na ânsia desse texto que me demoro a escrever só porque me demoro em te explicar.

Eu me abstenho de viver. Eu vou viver, ainda que nessa breve ânsia, breve momento, por esse momento meus dedos parecem conseguir escrever sem fim, como se nunca nem jamais tivesse tido tal conversa íntima assim, poucos entenderiam, muitos são chamados, poucos escolhidos.

Ainda que hoje pela noite eu venha a dormir e me esqueça de tudo isso, que fique aqui nesse último cintilante brilho de luz, tudo que eu queria ter visto sempre sem nunca ter me ausentando de mim, eu me procurei no universo e o universo estava em mim, por um momento eu me sinto capaz me desfazer em átomos.

A partir de hoje eu também admito que nunca fui capaz de dar fim nas minhas idéias.

3 comentários:

Amanda disse...

Eu nunca fui suicida, esse é o sistema que manipula, a prova da força dessas palavras se chama Rene Cardoso Miranda pra quem ainda duvida dele. Ele está aí, queira ver, queira não.


oi me desculpe chegar assim mais gostaria de saber quem é vc e pq fala do renee?sou prima dele e nao estou entendendo nadaa

Ribeiro disse...

Eu lembrei dele enquanto escrevia esse texto, acho que estava sentindo a mesma coisa, me chamo Marlon, conheci ele, convivi com ele muitos anos, fiz a comunidade do Orkut, Rene OMAISBROTHERDETODOS, quando ainda usava aquilo, jogavamos fliperama e íamos na lan-house juntos, no Gabriel de Lara nos viamos, as amizades em comum eram muitas, tenho boas lembranças.

Ribeiro disse...

Boas lembranças e saudades.

Não deixe de comentar.
Jesus nos guie.

Visitantes